~ Lôngara - Actividade Literária e Memória Alvi-Anil ~
Espaço de Actividade Literária Pública: para colocação de artigos de escrita avulsa, extensiva a matéria textual de alguns dos livros escritos pelo autor... Mais outras publicações e escritos.

- Ah, "Lôngara" (conf. Dicionário Onomástico), significa "Algo Arqueológico", servindo aqui para associação vasta... como foi antigo termo donde evoluiu LONGRA... Enquanto Alvi-Anil (elem. de comp. do latim albus = branco; mais subst. masc. = substância azul) é o tom azul e branco do baluarte afectivo!



sexta-feira, 11 de Fevereiro de 2011

Galeria de (alguns exemplares dos) Troféus do futebol sénior do F. C. Porto


A vida de uma colectividade, neste caso, comporta naturalmente momentos mais ou menos bons, como se tem procurado demonstrar, dentro do possível, neste género de apontamentos aqui partilhados, de quando em vez. Proporcionando, desta feita, uma relação visual de comunicação, a fazer reviver e perdurar a memória histórica do F. C. Porto. Quanto valorizamos as coisas boas da vida. Pois então: A poesia pertence à vida, afirmou Sophia de Mello Breyner, cujo espólio literário foi recentemente doado à biblioteca Nacional. Numa vivência profunda, em sentido lírico, entende-se isso. Tal como nas grandes dimensões do afecto humano, com íntimo lugar espiritual, quão representa o sentimento emocional Portista. Em cujo sentido uma espécie assim de poesia se torna património de todos os que sentem Portismo deslumbrante, em tudo o que representa o clube do coração, no percorrer de versos consubstanciados em toda a existência desse algo especial que é o F. C. Porto, quer na amplitude do seu brilhante historial, como na dimensão estética das conquistas, num universo traduzido em testemunhos como são, afinal, todos os troféus memoriais.


Envolto numa aura de orgulho e propriedade, está assim o acervo patrimonial do clube, para os adeptos. Ora, como num amor humano perduram as recordações, na afectividade clubista equilibram-se lembranças através dos galardões, de tudo o que afirme os valores em apreço. Assim sendo, porque no passar dos anos, haverá sempre outros que amarão as coisas que nós amamos, no rodar dessa vida detentora de poesia jubilosa, recordamos algumas das honrarias conquistadas pelo F. C. Porto. Desta vez, registando imagens de alguns exemplares apenas em futebol sénior (ficando para outras oportunidades, também, mais referentes ao futebol das camadas jovens e às restantes modalidades). Para que tão valioso conjunto de tesouros simbólicos esteja sempre presente, na memória de quantos sentem isto do “Porto” que, no dizer de Pedro Homem de Melo, é… “Palavra exacta. Nunca ilude. Renasce, nela, a Ala dos Namorados”… na nossa Ínclita Geração Portista.


Por entre tantos exemplares dignos de serem recordados, damos agora à estampa alguns, embora sem descrição histórica, que já se aludiu noutras ocasiões, mas apenas legenda indicativa. Eis então algumas (simplesmente algumas, frise-se, como exemplos), das taças conquistadas pelo futebol do F. C. Porto, entre muitos exemplares do rico património artístico e memorial do Futebol Clube do Porto:



- Taça União do Norte – 1ª taça a dar entrada no F. C. Porto, em 1913.



- Taça José Monteiro da Costa / Campeonato do Norte – 1ª conquistada temporariamente, mas apenas ganha definitivamente em 1916.



- Taças conquistadas na época de 1915: Taças Associação, Honra, Salão Sport e Jornalistas Sportivos.



- Troféu Vitória – comemorativo da vitória sobre o Vasco da Gama, do Brasil, em 1931.



- Taça de Campeão de Portugal – 1931/32



- Taça Monumental / Troféu Arsenal.


- Taça da (antiga)1ª Liga e do Campeonato Nacional de seniores.



- Troféu Salvador Correia de Sá (referente à digressão vitoriosa a Angola, em 1949).



- Trofeu da Inauguração do Estádio da Luz - 1954.



- Troféu Martini (equipa com melhor “goal-average” do Campeonato Nacional de 1955/56).



- Troféu Luís Otero (de Pontevedra-Espanha), ganho em 1962 e 1964.




- Taça do Prémio Somelos-Helanca / Regularidade (conquistada para o FCP, como clube do jogador mais regular da época de 1967/68, com o Prémio Regularidade atribuído então ao guarda-redes Américo).



- Taça de Portugal.



- Supertaça Cândido de Oliveira.



- Taça dos Campeões Europeus 1986 / 87.



- Supertaça Europeia - 1987 / 1988




- Estatueta oferecida pela AFP, assinalando as vitórias internacionais do F C P em 1987 e 1988.



- Taça do Torneio de Viareggio (Itália)


- Taça Joan Gamper, de Barcelona – Espanha.



- Taça do Torneio Teresa Herrera – de Vigo – Espanha, 1991.



- Estatueta ganha no Torneio Naranja, de Valência – Espanha.




- Escultura Dragão de Três Cabeças, de comemoração do “Tri- Campeonato” de 1997.



- Escultura do “Tetra-Campeonato” – 1997 / 98.



- Troféu da Superliga / Campeonato Nacional 2002 / 2003.


- Taça UEFA – 2002 / 2003.




- Taça dos Campeões Europeus e Liga dos Campeões (Champions League) – 2003 / 2004.



- Taça Intercontinental / Mundial de Clubes – 1987 e 2004.




- Taça Toyotta – oferta do patrocinador e organizador do Mundial de Clubes / Taça Intercontinental – 1987 e 2004.



- Copa BES / A Bola – Campeonato dos Três Grandes (melhor soma de pontuação nos jogos entre os F C Porto, Benfica e Sporting) – 2003 / 2004.



- Taça da FPF do Campeonato / Liga Nacional.




- Taça de Campeão Nacional da Liga Portuguesa 2008 / 09. … E tantos mais troféus existem… Ficando aqui imagens destes, por ora – entre os muitos que já foram conquistados e fazem parte do património museológico do Futebol Clube do Porto!



Nota: Ao longo deste blogue, nos diversificados artigos entretanto publicados, outros casos foram já registados, sobre taças e outros trofeus de índole diversa. Conforme pode ser confirmado em buscas pelos sucessivos posts: Entre os quais, como mero exemplo duma das taças também referenciada, recordamos uma significativa taça, embora de nível particular, cuja conquista teve também significado especial pelo seu carácter altruista, benemérito e até espiritual... ganha pelo F. C. Porto - conf. link...



© ARMANDO PINTO




= Clicar sobre as imagens, para ampliar =


5 comentários:

  1. É a História viva do glorioso Futebol Clube do Porto, para nossa felicidade e dos vindouros.
    Abraço amigo.

    ResponderEliminar
  2. austria8711/2/11 09:47

    BELO

    abraços

    ResponderEliminar
  3. Belos testemunhos de saborosos triunfos, troféus uns muito valiosos outros menos, todos com o mesmo significado: a grandeza de um Clube. Mais um belo post e obrigado, Armando.

    Sobre o Teresa Herrera de 1991, deixem-me dizer o seguinte: era um torneio de referência mas, nesse ano, tinha um valor acrescido: o troféu era mesmo em ouro, portanto valiosíssimo!
    E mais isto: o "cachet" do FC Porto era de quinze milhões de pesetas. Na véspera da final, como estava previsto, é entregue pela organização um cheque não bancário, avulso, sem nome do titular da conta. Pinto da Costa alerta para o incumprimento do contrato que previa o pagamento por cheque bancário. Garantem-lhe que qualquer banco aceitará o cheque. Não convencido, o Presidente do FC Porto desloca-se ao Porto onde, confirmando o seu receio, o cheque não é aceite para depósito. De volta à Corunha, exige que o pagamento seja feito por um verdadeiro cheque bancário ou por "notinhas". A posição do FC Porto era irredutível: "dinheiro na mão, botas nos pés; sem uma coisa não haveria a outra". Aproxima-se a hora da final e, chegado o autocarro ao hotel, os jogadores não descem dos quartos, o tempo passa e, então, lá chega um saco com os quinze milhões de pesetas.
    O FC Porto trouxe os milhões e a Taça em Ouro! Grande Pinto da Costa!

    PS: amigo Armando, obrigado pelas suas palavras no meu post em “Bibó Porto, carago! Grato pela sua amabilidade, mas não mereço tanto. Obrigado, Amigo.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  4. Armando, qual é o que nos falta? Ah, já sei, a taça da liga!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Caro Armando, enquanto não há Museu, vamos aproveitando o seu trabalho laborioso em prol da História do nosso FC Porto...
    Mais um belo post...
    Já tive oportunidade de ver muitas destas Taças, mas foi há tanto tempo ...

    ResponderEliminar